Já se vão quase trinta anos desde a primeira vez que entrei em uma sala de aula para ensinar uma turma a programar. Para mim foi uma descoberta fascinante ver que alguns alunos já sabiam, e basicamente não precisavam de minha ajuda, enquanto para outros o tipo de disciplina mental exigida para programar parecia ser simplesmente acima de suas capacidades.

Afinal, o que de fato ensinamos nas aulas de programação? Programar não envolve conceitos complicados ou abstratos como os que os alunos enfrentam nas aulas de Cálculo ou Álgebra. Ao contrário, abordamos tarefas basicamente triviais, especialmente nas primeiras aulas. Se você pedir a uma criança no terceiro ou quarto ano do ensino fundamental para somar uma coleção de números, ela não terá dificuldades em fazê-lo. Porém, se pedir para ela contar a você como fez isso, as dificuldades surgem. Isso também ocorria em minhas aulas. Alguns dos alunos simplesmente não entendem que o que queremos é que organizem suas ideias e expliquem para o computador como resolver o problema. Esta explicação deve ser precisa, clara e geral, para que o problema seja resolvido para todos os possíveis dados, e, além de tudo, dada numa linguagem complicada, que o computador entende…

Muitos alunos ficam frustrados e nos procuram querendo apoio. Sempre recomendei fazer muitos exercícios, especialmente depois do surgimento dos juízes on-line como o The Huxley ou outros. Resolver problemas e ter o retorno imediato de suas tentativas é extremamente motivador e ajuda muito os alunos. Porém, para aqueles com mais dificuldades, ainda não é suficiente.

Sempre fui muito cético em recomendar livros para aprender programação. Boa parte dos livros no mercado focam na linguagem de programação e erram, em minha opinião, completamente. Outros, que buscam se desligar da máquina e das linguagens, acabam se tornando por demais teóricos e deslocados da prática do estudante. Sempre pensei que um bom livro de programação deveria pegar o estudante pela mão e guiá-lo passo a passo, abordando todas as dificuldades que ele pudesse vir a ter com a máquina, a linguagem de programação e, finalmente, fazendo *MUITOS* exercícios.

O livro do Prof. Rodrigo de Barros Paes, da Universidade Federal de Alagoas, vem preencher esta lacuna. Programação de Computadores − aprenda a resolver problemas utilizando a linguagem C não pula etapas. Passo a passo leva o estudante a entender os conceitos de programação e como representá-los utilizando a linguagem de programação escolhida. A quantidade de problemas sugeridos é enorme e, se resolvidos pelo estudante, certamente levarão a uma boa compreensão do tema. Por fim, espero que este livro possa vir a ser uma ferramenta de popularização da programação entre os alunos do final do ensino fundamental e do ensino médio, levando a uma efetiva alfabetização dos nossos jovens na área de Computação. Que mais e mais jovens aprendam a programar e juntem-se a nós nesta divertida atividade.

cef-cologne2013

Carlos Ferreira

Professor Titular do IME-USP